Conheça os cinco novos híbridos da Morgan

O melhoramento de plantas está entre os principais fatores que levaram ao aumento da produtividade do agronegócio brasileiro. A cada ano, novos materiais chegam ao mercado ampliando o teto produtivo, ganhando em rusticidade, reduzindo ciclos
e ampliando a resistência ou a tolerância a pragas e doenças. A Morgan, marca que desde 2012 é uma das principais opções para agricultores que buscam soluções mais modernas, colocou no mercado cinco novos híbridos em 2018.
Uma das novidades, que atende lavouras de alto investimento, é o MG320,
um híbrido de ciclo superprecoce indicado para produção de grãos. O material reúne alta produtividade com sanidade de grãos e excelente empalhamento. Este novo híbrido da Morgan tem mostrado resultados excelentes, especialmente em regiões de
clima subtropical.
O MG545, outro lançamento para lavouras de alto investimento, se destaca por sua alta produtividade e precocidade de ciclo. Também indicado para produção de grãos de qualidade superior, o MG545 chama a atenção pela sanidade foliar e pelo ótimo empalhamento. Material de muito boa adaptabilidade em lavouras comerciais no Sul do Brasil e amplamente adaptado à regiões de Cerrado.
Já o MG 600, híbrido de alta produtividade e ciclo precoce, tem como principal característica a excelente qualidade de colmo. Além de responder com alta produtividade aos investimentos em tecnologia e mostrar alta sanidade foliar, a lavoura com MG600 tem como vantagem a flexibilidade no gerenciamento da colheita devido a sua alta resistência de colmo. A resistência ao acamamento também é uma das vantagens do MG711, mais um dos novos híbridos da Morgan para produção de grãos em lavouras de alto investimento.
Para sistemas de produção de alto e médio investimento, a Morgan lançou o MG744, um híbrido de ciclo semiprecoce, ideal para integração com materiais mais precoces. Desta forma, é possível ao agricultor realizar o escalonamento da colheita. O MG744 também tem mostrado alta qualidade de colmo assim como boa tolerância em ambientes com incidência de doenças como Mancha de Phaeospharia e Cercosporiose.